Criação de empresas

Tendências, novidades, notícias e dicas do mundo do Criação de empresas

Criação de empresas

12 maio 2019
Seja o primeiro em comentar

Receitas e despesas de uma empresa: o que você deve levar em conta para fazer previsões realistas

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (Média: 5,00 de 5)
Loading...

Cuidar das contas de uma empresa é algo que muitos empresários e empreendedores temem; ao longo do caminho, muitas dúvidas surgem, o que gastar mais, o que é uma prioridade, como organizar as finanças? Um pecado comum quando se inicia um projeto de negócio é o otimismo; Os empreendedores são uma espécie cuja reação natural é exagerar a receita e subestimar os gastos durante o início. Ambas as decisões estão erradas e podem custar-lhe o negócio. Para aqueles que se identificam, preparamos este post com a intenção de que as contas pareçam saudáveis ​​e frescas, você possa fazer a previsão de receitas e despesas e, assim, o primeiro ano do negócio e todos os esforços colocados nele não serão em vão.

Receitas e despesas a serem levadas em consideração para fazer previsões realistas de um negócio em seu primeiro ano


Comece adotando medidas de previsão

“Quando vender este leite, comprarei uma cesta de ovos e com ela obterei pintinhos; quando os pintinhos crescerem vou vendê-los no mercado e serei capaz de comprar um porco, vou alimentá-lo e, assim, ao vendê-lo terei o suficiente para comprar um bezerro (…) Assim ia a leiteira com o seu cântaro sobre sua cabeça quando tropeçou e perdeu todo o leite que pensava em vender”.

A história da leiteira talvez seja um recurso banal, no entanto, exemplifica perfeitamente uma situação na qual qualquer empreendedor vai encontrar; o futuro é incerto e, com base nisso, não podemos construir castelos no ar. Infelizmente, e digo infelizmente porque estou ciente da preguiça que vem de ter que começar a pensar em probabilidades e ter planos a, b, c ou até d; mas a realidade é que a melhor maneira de ter a situação financeira do primeiro ano de negócios sob controle é fazer as contas de maneira realista e proativa. Vamos começar!

  1. Faça um estudo preliminar do mercado: quanto melhor você conhecer o setor, o público, os incidentes, a concorrência, etc. melhor preparado você será antes de qualquer imprevisto e menos surpresas você terá.
  2. Realizar cálculos para cada etapa: trata-se de estabelecer parcelas de financiamento para cada fase do projecto. Por exemplo, se você deseja atingir uma meta em 6 ou 12 meses, estabeleça um dinheiro específico para ela. Isso tem o objetivo de reduzir o risco econômico antes de lançar o produto ou serviço; filosofia “desperdício mínimo”.
  3. Planejando vários cenários possíveis: trata-se de coisas tão básicas como não se arriscar a colocar um preço no produto sem contar com o preço da concorrência. Para decisões básicas como essa, é preferível colocar-se em três cenários; um otimista, outro pessimista e outro mais realista (do qual partiremos). Para cada um desses cenários, precisamos ter uma resposta para o problema; no exemplo de preço, já deveríamos saber quais três preços diferentes usaríamos em cada circunstância.

Como fazer o item de receitas

No item de receitas, devemos aplicar uma visão realista que seja ambiciosa ao mesmo tempo; tudo em sua medida adequada. Pecar por ser excessivamente cuidadoso pode trazer tantos problemas quanto esquecer e pensar que vamos vender tudo em nada. Quando você faz um orçamento, não é aconselhável ficar apertado; É melhor deixar uma margem, senão o crescimento da empresa pode estagnar ao ficar sem liquidez.

Para calcular o que será gasto no primeiro ano, será necessário levar em consideração, entre outras coisas, o volume de vendas e o preço do produto ou serviço. Aqui estão algumas dicas a considerar:

  • Contar com financiamento extra para o primeiro ano: neste ponto você tem que pensar que a renda no início será menor e mais tardia. Devido a isso, é necessário financiar este período de tempo em que você terá que compensar a falta de renda com um investimento extra.
  • Quantificar a demanda total do produto: com base no estudo de mercado, é necessário determinar qual é a demanda real do produto e qual é o que pretendemos alcançar (levando em conta a concorrência).

Ao fazer a previsão, aconselhamos fazer uma avaliação dos seguintes aspectos e tomá-los como um guia:

  • O público-alvo: quem são, quanto querem gastar, segmentando-os por idade, sexo etc.
  • A concorrência: que parte do bolo você pode ficar e “roubar”, que valor agregado sua empresa traz.
  • Fornecedores: conheça os principais do setor e faça uma comparação de quanto eles cobram. O custo dos fornecedores determinará o custo do seu produto e também a margem de lucro.
  • O preço: dependendo se o produto é novo ou copiável, você pode jogar para cima ou para baixo o preço. Quanto mais exclusivo e inimitável, mais caro.
  • Sazonalidade: todas as empresas têm picos e quedas sazonais, descubra quais serão as suas.
  • Os lucros: dependendo do que você já tem, faça a subtração entre o preço final do produto e o custo para saber o que você vai investir. De lá, você terá que lucrar, embora no primeiro ano possa ser que a margem seja nada ou muito pequena.

Como fazer o item de despesas

O item de despesas refere-se ao plano contábil no qual se estabelecem os gastos da atividade necessários para obter renda. Neste item há ocasiões em que são esquecidas certas despesas, por isso recolhemos as mais importantes:

  • Custos fiscais: são os custos de impostos corporativos, IVA, taxas, etc. Você também pode colocar os custos de direitos de propriedade, licenças de software, requisitos legais, etc.
  • Logística e fornecedores: já mencionamos a importância do fornecedor e os custos da cadeia de suprimentos. Dependendo desses custos, a renda pode ser maior ou menor, pois é uma parte do processo que pode tornar o produto muito mais caro, simplesmente porque não depende da sua empresa. Ele avalia todos os custos que podem surgir desta parte da produção: atrasos, reclamações, devoluções, mudanças, etc.
  • O custo de aquisição de clientes: inclui custos de marketing e comunicação.
  • Custos de financiamento: quando você depende de financiamento externo, é necessário adicionar os custos de taxas e juros.
  • Investimentos: são inevitáveis. Referimo-nos aos custos de aquisição do material para criar o produto (maquinaria, veículos, etc.), bem como aluguéis de escritórios, computadores, patentes, etc.
  • Fazenda e Segurança Social: seus amigos de alma neste novo projeto. os honorários de ambas as administrações são a base de tudo, portanto não os esqueça.
  • Custos operacionais: trata-se de estabelecer uma porção geográfica na qual a nossa empresa irá operar e quanto dinheiro vai custar para ter uma presença em toda a área; com lojas, envio, etc.
  • Custos de atualização de computadores: é preferível observar o aumento nos custos relacionados a atualizações de material de computador ou, em geral, a P & D que oferecemos como um valor agregado ao produto ou serviço ao longo do tempo.
  • Custo de mão-de-obra própria: o empreendedor deve ser contado como uma despesa, já que ele passa horas nesse projeto e, em geral, seu salário não é incluído no jogo. É preferível fazer uma evolução; a partir de um preço por hora 0 ou negativo, e veja como a capacidade de elevar esse valor evolui. Estes podem nos dar uma indicação sobre o estado de “saúde” da empresa.
  • Custo de mão-de-obra: o custo geral de seus funcionários, durante o primeiro ano, recomendamos fazê-lo com base nas necessidades de cada fase do projeto. Você não precisará de 100 pessoas de uma só vez, nem pessoas de todos os campos ou áreas. Por exemplo, começar com uma equipe de marketing é preferível a uma equipe de recursos humanos.
  • Custos de suprimentos: refere-se a despesas com eletricidade, água, combustível, telefones celulares etc.

Algumas dicas extras para ter em mente

  • Para obter o equilíbrio entre receitas e custos , divida os lucros pela metade e multiplique os custos por dois; Dessa forma você se aproxima da realidade.
  • É preferível ter duas contas: uma para a empresa e outra para os impostos obrigatórios, já que esse dinheiro não é seu e você deve mantê-lo intacto.
  • Vá corrigindo as despesas de acordo com o volume de atividade que é adquirido.
  • Contrate alguém com conhecimento financeiro se você não o tiver. Chegará um ponto em que você não terá escolha a não ser delegar essa tarefa porque ela será muito complexa para você ou porque você estará desperdiçando capacidades para obter renda que não conhece.

A parte financeira de uma empresa é a menos atraente para os empreendedores; Eles gostam de realizar a ideia em termos de que eles têm que ver o trabalho no produto ou serviço, sua venda, sua imagem, etc. No entanto, as contas são um caminho através do qual você tem que viajar, quanto mais você sabe no começo, melhor.

E para os empreendedores que desejam colocar sua ideia materializada em um novo negócio, recomendamos o MBA em Empreendedorismo Digital, um programa completo onde você será capaz de desenvolver e validar a sua ideia e modelo de negócio, delinear uma estratégia de crescimento empresarial e adquirir as competências e habilidades imprescindíveis para criar um empreendimento de base tecnológica e de internet.

MBA em Empreendedorismo Digital

Chegou a hora de empreender com garantias de sucesso, conhecendo os aspectos fundamentais do planejamento financeiro e muito mais

Tenho interesse!

Compartilhe e comente este post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha loading...

IEBS NAS REDES

PRÓXIMOS EVENTOS

BUSCAR NO BLOG