SEO/SEM

Tendências, novidades, notícias e dicas do mundo do SEO/SEM

SEO/SEM

27 nov 2018
Seja o primeiro em comentar
Tags: SEO

Como prevenir ou proteger-nos do SEO negativo com o Ahrefs

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (ainda sem avaliações)
Loading...

Os profissionais de marketing, mais concretamente de SEO, encontram-se constantemente numa “guerra” de posicionamento nas SERP’s. Estar nas primeiras posições do ranking gera, evidentemente, mais tráfico; mas também mais segurança, confiança, visibilidade e sobretudo prestígio para uma página web.

No entanto, a competitividade é tão elevada, que durante muitos anos esta questão provocou a criação de práticas e técnicas pouco ortodoxas para escalar posições, como por exemplo o SEO negativo.

Índice de conteúdos:

O que é o SEO negativo?

Definem-se como SEO negativo ou técnicas de Black Hat SEO aquelas práticas ou técnicas consideradas pouco éticas ou até ilegais, que algumas páginas levam a cabo a fim de prejudicar o posicionamento de outros sites -maioritariamente da concorrência – nos motores de busca e a sua reputação online. Da mesma forma, o SEO negativo pode incluir técnicas cuja única intenção é manipular os rankings mediante técnicas perseguidas pelos algoritmos dos motores de busca.

Tipos de SEO negativo

Existem inúmeras maneiras de levar a cabo o SEO negativo ou o Black Hat SEO. De seguida, iremos mostrar-vos algumas das práticas mais comuns.

#1 Gerar enlaces tóxicos

A ideia desta prática é enviar centenas de links tóxicos diariamente para o site que queremos que seja penalizado. Desta forma, os motores de busca detetam esta página web como SPAM. Por outro lado, há que ter em conta que esta técnica pode ser aproveitada para melhorar os rankings, já que se a detetamos a tempo, poderemos analisar o perfil de links e, ao mesmo tempo, enviar um arquivo .txt através do Disavow Tool com todos os links tóxicos que não nos interessam.

Desta forma, até que o Google não detete os sinais ou o “pack massivo” de links tóxicos, a popularidade do domínio melhora, pelo que podemos obter um bom surto de aumentos nas SERP’s, até que se revisem todos os backlinks enviados no arquivo Disavow.

#2 Plagiar conteúdos de outras páginas web

O objetivo desta ação é recolher conteúdo do site que se quer prejudicar e distribuí-lo por outras páginas potencialmente tóxicos. Outra forma de fazê-lo, é publicando este conteúdo diretamente na nossa própria página, sem indicar o nome do verdadeiro autor.

Esta técnicas também se podem realizar de uma forma mais automatizada, “spineando” o conteúdo de outras páginas web. Spinear significa gerar conteúdo de texto a partir de outro artigo, conseguindo conteúdos totalmente legíveis e “originais” para uma pessoa, sem que o Google os detete como plágio. Recomendamos uma ferramenta como o ESPINNER para que a experimentem e vejam o potencial que tem este tipo de automatizações.

Para evitar ser plagiado, antes de qualquer outra coisa, deverá indexar o seu conteúdo, para que o Google o interprete como o primeiro, pelo que não interpretará como a página que comete o plágio.

Além disso, tente contactar com o responsável ou webmaster da página da qual sofreu o plágio, já que poderá fazê-lo inconscientemente, por ter sido hackeado.

Finalmente, é muito importante utilizar esta ferramenta que nos fornece o Google e que serve para informar sobre o problema. Assim, poderão retrirar o conteúdo duplicado das SERP’s.  

#3 Hackear uma página web

Quando falamos em hackear uma página web, referimo-nos a apoderar-se dos servidores de outras páginas web, sobretudo da concorrência, a fim de encontrar vulnerabilidades que os possam prejudicar.

Existem casos muito conhecidos, como o de “buy viagra”, “air maix” ou similares, que se trata de spammear de forma massiva uma página web à base de anúncios ou da mudança de conteúdo com base noutro tema, como poderia ser a compra de viagra. Imagine que no seu e-Commerce se vendem produtos de cozinha e, de repente, verifica que a página web está cheia de anúncios de compra de viagra ou de outro produto que tenha sido hackeado.

Detetar este tipo de spam ou hack é uma tarefa muito difícil e complexa, já que às vezes não aparece nem no código de fonte e apenas está aos olhos do GoogleBot. Criar alertas de conteúdo no seu domínio para determinadas palavras com as que lhe oferecemos nesta lista, pode ajudar a prevenir o antes possível estes ataques.

Este tipo de spam ajuda também a fazer linkbuilding, já que se se encontra com alguma página web que foi spammeada, uma forma muito ética de atuar é contactar com o seu webmaster para avisá-lo e assim aproveitar para pedir-lhe que inclua um link para recompensar a sua boa ação. Usar os footprints do Google, pode ajudar a detetar aquelas páginas web spammeadas.

# 4 Sobrecarga de recursos do servidor

Consiste em sobrecarregar os recursos de um servidor à base de petições. As páginas onde melhor funciona normalmente são blogs ou tópicos de comentários. Normalmente são utilizados mediante um volume muito alto de petições ao servidor ao mesmo tempo, o que poderá provocar o falho da página web ou um tempo de carga muito elevado.

#5 Substituir uma identidade para roubar links

É uma técnica que se traduz por substituir a identidade do webmaster de uma determinada página web, a fim de pedir que se elimine um backlink, e se se quer ir mais longe, pode-se pedir que se inscreve na sua página ou a outra do seu interesse. Podemos dizer que é algo muito pouco ética, mas para isso poderá monitorizar o seu perfil de links como explicamos seguidamente para assim poder evitar este tipo de práticas.

Como detetar o SEO negativo com Ahrefs?

Existem várias maneiras de poder detetar si a nossa página web está a receber SEO negativo ou Black Hat SEO por parte da nossa concorrência. Seguidamente mostramos-lhe algumas maneiras de poder detetá-lo.

Uma das maneiras que temos de poder detetar se o nosso site está a receber SEO negativo, é revisando os links que recebemos e de onde vêm. Começar a receber muitos backlinks de repente é um sinal de que algo está mal. Sem dúvida, dispor de outras páginas web que linkem diretamente à nossa página web é uma boa maneira de melhorar o nosso posicionamento SEO. No entanto, se estes não têm qualidade ou se encontram de forma massiva em páginas web tóxicas, sem dúvida nos vai prejudicar e baixaremos no ranking.

Ter em conta o aparecimento de links com achor text estrannhos, como por exemplo palavras-chave noutros idiomas, sobre sexo ou palavras-chave repetidas para chamar a atenção do Google e que este o penalize.

Outro fator que nos pode ajudar a detetar o SEO negativo é se começamos a notar que o nosso conteúdo se duplica noutras páginas web e, por isso, nos plagiou . Esta prática leva-se a cabo para que o Google o detete como conteúdo não original, fazendo com que baixe algumas posições nos rankings. Se isto acontecer, deveremos contactar a página web para que eliminem o conteúdo ou nos ponham como autores e com um link à nossa página web.

Se a velocidade de carga da nossa página web diminuir de um dia para o outro, pode indicar-nos que esta padece de algum ataque de SEO negativo, descartando de imediato que o nosso servidor não tem nada a ver, claro.

Por último, se perdemos a visibilidade de forma continua nos motores de busca, devemos ir com cuidado e corrigi-lo, se não, poderemos estar perante um caso de SEO negativo. A fim de preveni-lo, é vital saber detetá-lo, por isso não perca estes conselhos para poder fazê-lo com o Ahrefs.

Como proteger-se do SEO negativo com o Ahrefs?

Existem várias ferramentas que nos podem ajudar a detetar se a nossa página web padece ou não do SEO negativo, como por exemplo o SEMrush, Google Search Console, Sistrix ou o SPAM Score de MOZ. No entanto, hoje vamos centrar-nos no Ahrefs, que forma parte dos nossos partners do Pós-graduação em Marketing Digital.

Existen numerosas herramientas que nos pueden ayudar a detectar si nuestro sitio web está padeciendo o no SEO negativo como por ejemplo SEMrush, Google Search Console o

Esta ferramenta dá-nos a possibilidade de analisar a evolução do posicionamento em função das nossas Keywords. Graças à ferramenta Rank Tracker, podemos incluir as palavras-chave das quais queremos fazer seguimento e ver como evoluem as SERP.

Ahrefs_Rank_Tracker

Isto também de pode comprovar mediante a análise do nosso domínio, em “Visão Geral” e clicando em “Pesquisa Orgânica”. Desta forma, poderemos ver a evolução do tráfico orgânico, as keywords posicionadas, entre outros.

Ahrefs_busqueda_organica

Por outro lado, Ahrefs também nos permitirá detetar todos aqueles backlinks ou links internos que dispõe a nossa página web, podendo ver se nos interessam ou não. Realizar esta prática uma vez por semana, pode ajudar-nos a proteger contra as práticas de SEO negativo. Na imagem seguinte, na Categoria “Enlaces” (Links) podemos filtrar o tipo de links que nos interessa investigar.

Ahrefs_enlaces

Na verdade, Ahrefs dá-nos a oportunidade de criar alertas para que a ferramenta avise cada vez que se cria um novo link que direccione à nossa página ou cada vez que um link se perde. Esta é uma boa forma de detetar-mos a tempo links suspeitosos ou maliciosos.

Ahrefs_crear_alertas

No caso de perdermos algum link, é conveniente que nos ponhamos em contacto com o site e que tentemos recuperá-lo.

ahrefs_crear_arlertas

Ter em conta o nosso perfil de Anchor Text é importante, já que não é normal ter 50% de links com o mesmo texto ou até ter palavras que nada têm a ver com a nossa temática, pode ser um problema para o nosso posicionamento. Por este motivo, é recomendável fazer comprovações frequentemente para poder prevenir casos de SEO negativo.

anchors negativos

Realizando ações poderemos atuar a tempo no caso de alguma página web da nossa concorrência nos estar a prejudicar com SEO negativo ou Black SEO.

Para saber trabalhar com ferramentas como Ahrefs ou detetar estas práticas, a formação é imprescindível. Existem imensos Masters, Pós-Graduações e Cursos que servem para aumentar os nossos conhecimentos em SEO e melhorar o posicionamento da nossa página web.

Pós-graduação em Marketing Digital e Social Media

Quer receber o programa completo? Ligue agora ou preencha o formulário.

Solicitar informação

Compartilhe e comente este post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha loading...

IEBS NAS REDES

PRÓXIMOS EVENTOS

BUSCAR NO BLOG