SEO/SEM

Tendências, novidades, notícias e dicas do mundo do SEO/SEM

SEO/SEM

13 nov 2019
Seja o primeiro em comentar

Cauda Longa: a presença definitiva na Internet

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (Média: 5,00 de 5)
Loading...

Seja no segmento de moda, eletrônicos, móveis ou outros, a intenção principal de todo comércio eletrônico é atrair seu público-alvo para que as vendas estejam sempre aquecidas, mas o caminho para tal realização vai além do Marketing envolvido uma vez que conceitos de estruturação do negócio e da Plataforma em uso determinam muito do futuro de uma empresa.

E como sempre se busca a presença máxima na Internet seja de forma orgânica ou paga, um conceito fundamental e que pode fazer toda a diferença nos resultados é o entendimento do que é a Cauda Longa e como utilizá-la, pois ela guiará ações futuras uma vez que compõe uma base de ação, sendo ao mesmo tempo parte da estrutura de um sistema.

A seguir, uma definição e uso da Cauda Longa será feita com o foco em páginas de listagens de produtos de e-commerces. Um guia que lhe dará um norte para que todo seu trabalho possa se estruturar.

O que é Cauda Longa

Esmiuçando a definição do termo e aplicando ao comércio eletrônico, pode-se dizer que no ambiente web, a busca por consumidores através de interesses convencionais pode resultar em grandes vendas, mas muitas vezes a custos enormes – como a busca por clientes interessados em calças jeans por exemplo, sendo um termo muito disputado mas com um alto volume de buscas no Google e outros buscadores segmentados.

Já uma campanha para a captação de consumidores focada em interesses mais específicos pode sair mais em conta, pela menor competitividade das lojas virtuais para tais termos (como calças jeans skinny, calças jeans destroyed e calças jeans pretas com cintura alta por exemplo). Nesse caso, termos mais detalhados possuem uma procura muito menor que os mais genéricos, mas quando se trabalha com uma grande variedade de opções, pode-se chegar ao resultados surpreendentes.

Certamente existem muitas pessoas que nesse momento estão buscando por termos como “calças jeans” no Google, mas poucas pessoas que estão buscando por “calças jeans pretas com cintura alta”. Mas e se, ao invés de uma loja buscar investir em “calças jeans”, passar a investir em dezenas de termos correlacionados com modelos com cintura alta, skinny, destroyed, flare etc? Certamente o resultado final do investimento em um grupo segmentado será compatível com o mais amplo, mas com um custo menor de aquisição de clientes, e esse é o ponto principal para que todo empreendedor adote tal prática em seus negócios.

“O que vemos em nossas buscas é um interesse muito específico das pessoas quando estão procurando por algo, pois sabem que as ferramentas atuais entregam aquilo que desejam, seja uma camiseta simples ou uma camisa preta slim com estampa e gola da marca X”, comenta Leonardo Alonso do Lounge A, buscador de produtos de moda.

Onde e como aplicar o conceito

Agora que o conceito e a importância já foram colocados, deve-se pensar em como introduzir de fato tal conhecimento no dia a dia de uma loja virtual.

De forma geral, a ideia pode ser aplicada na escolha de palavras-chave de campanhas como no Adwords e para a criação de URLs internas de listagem de produtos a serem trabalhadas em SEO (search engine optimization, ou otimização de mecanismos de busca em português). E como o volume de páginas a serem criadas precisa ser grande, um bom método para a escolha dos termos precisa ser adotado.

Criando uma Cauda Longa

O passo zero da jornada está na concepção de termos segmentados, e o fundamento do sucesso ou fracasso da ação dependerá fortemente dessa etapa.

Para a criação de uma lista profunda e com alguma relevância, pode-se usar o Google Trends para garimpar termos com algum volume de busca a partir dos mais genéricos como “calças jeans” por exemplo. Outras ferramentas pagas também são úteis como o Semrush e o Ahrefs. E com essa parte feita, já pode-se pensar em colocar a mão na massa.

Uma dica importante é manter uma proporção saudável entre termos genéricos e profundos. Se a lista tiver 50 variações de calças jeans, deve-se diminuir para no máximo 20 para não diluir tanto os links e ainda fugir de páginas muito específicas com poucos produtos. Certamente o volume de buscas para tais páginas será igual ou maior ao do termo principal.

“Buscar fugir de páginas pobres e com poucas opções de compra é essencial para a aplicação do conceito, pois nesse caso o desenvolvimento estaria indo contra a expectativa do consumidor.”, completa Leonardo.

Estrutura interna

Aspectos técnicos devem primeiramente ser implementados antes de qualquer outra ação. Sitemaps, Breadcrumbs, linkagem interna, URLs amigáveis e a configuração de campanhas direcionadas às páginas recém criadas são essenciais.

Esse é um ponto em que muitas lojas travam o desenvolvimento, pois geralmente possuem Plataformas terceirizadas e dependem de algumas configurações que fogem do controle, podendo levar até semanas para que as mudanças que possibilitem tal ação sejam feitas.

Medindo os resultados

Após dar início à ação e começar a ver os primeiros resultados de imediato nas campanhas pagas e até mesmo na busca orgânica do Google (que demora ao menos três meses para dar os primeiros frutos), a primeira coisa a ser percebida será uma adesão maior dos consumidores a páginas de produtos com uma maior quantidade de itens, e até mesmo uma futura especialização em uma área mais rentável será possível, pois as possibilidades já foram criadas.

Mas o mais recompensador é ver que com a mesma verba de campanhas anteriores pode ser possível trazer até 50% mais consumidores ávidos por produtos e com uma taxa de conversão igual ou superior.

E caso o resultado não tiver sido positivo, uma análise minuciosa dos termos deverá ser feita para a correção da rota tomada. A análise da conversão entre as páginas de maior sucesso e as de menor pode ser um ponto de partida para entender o comportamento de quem está indo à loja virtual, a eficiência obtida para cada canal investido e a revisão da lista de termos profundos é o básico.

O trabalho que envolve a criação de uma Cauda Longa para um negócio exige conhecimento do público-alvo e muito suor em cada etapa, podendo levar meses para que a reestruturação esteja completa, mas se tudo estiver em ordem os resultados aparecerão.

“É normal sofrer algum tropeço no início e por isso uma análise constante deve ser feita, excluindo páginas de pouca relevância ou com uma listagem pobre.”, completa Leonardo. “Com o tempo, a prática se torna parte rotineira do trabalho, tornando o conceito absorvido em todas as áreas possíveis dentro de um sistema.”, finaliza.

A contratação de agências especializadas pode ser uma boa opção para quem quer mais segurança, mas as ferramentas para se colocar a mão na massa estão disponíveis para todos, assim como o conhecimento aberto ou em cursos, deixando para o empreendedor a decisão final.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre a importância de focar em um trabalho de palavras-chave e como você pode fazer isso, pode estar interessado na Pós-graduação em Analítica Web da IEBS. Um programa voltado a controlar, medir e melhorar os seus investimentos através da análise de dados da sua página web.

Pós-graduação em Analítica Web

Aprenda a controlar, medir e melhorar resultados através das métricas web

Tenho interesse!

Compartilhe e comente este post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha loading...

IEBS NAS REDES

PRÓXIMOS EVENTOS

BUSCAR NO BLOG